Moon Preachers lançam álbum de estreia

O Cão da Garagem orgulha-se em apresentar o álbum de estreia de Moon Preachers: “A Free Spirit Death”.
O primeiro longa duração do duo do Seixal foi gravado nos Estúdios King, no Barreiro, e foi produzido pela lenda vivaNick Nicotine. Sairá dia 16 de Março, em CD e cassete, pel'O Cão da Garagem, e estará também disponível nas principais plataformas de streaming.
""O mundo lá fora está a arder. Não é bonito?" Foi o que me passou na cabeça quando ouvi "A Free Spirit Death" dos Moon Preachers. São dois miúdos do Seixal que nos transportam para o cosmos psicadélico que tanto adorámos. Uma bateria galopante e rica em vitaminas por entre a guitarra reverbada e esquizofrénica, acentuadas por uma voz em crise, à procura de paz na alma. Há loucura, há paranóia, há a inquietação de ser jovem e querer libertar as vozes dentro de nós. Há uma movimentação que não é premeditada, os objectos à nossa volta parecem ganhar vida e voar pela sala numa dança sincronizada ao som de um espírito livre que se apodera não só da nossa aura, como do ar que respiramos e que alimenta todo o nosso ser.
E se me disserem que o mundo lá fora está a arder, eu acredito. Se me perguntarem se é bonito? Com o álbum dos Moon Preachers no volume máximo nos headphones, a resposta é um magnífico "Sim"." - CJ
 
Tracklist "A Free Spirit Death":
1. The Beast/Shake My Head
2. I Keep My Soul Away
3. Walking And Trembling
4. High Street
5. Death Hallway
6. Confusion Beat
7. Ghost On The Hill
 
Os concertos de apresentação serão dia 22 de Março no Maus Hábitos (Porto) com Nooj e 24 de Março no Sabotage Club (Lisboa) com Elephant Maze.
 

Os Moon Preachers são um duo. Tocam garage rock, punk rock, psicadélico, tocam o caos. Tocam a vida de dois miúdos de 19 anos. 
De frente para o mundo, lançam em Março de 2018 o seu primeiro disco, “A Free Spirit Death”, documento que retrata uma vida adolescente paranóica, confusa e fugaz.
Não tendo nada a perder, apresentam desde honestos hinos à loucura (The Beast/Shake My Head) a tratados punk das periferias (High Street). Desde o rock tribal desassossegado de “Death Hallway" ao balancé de “Walking and Trembling”. Desde canções barulhentas que dizem que é tempo de mudar (Ghost on the Hill) a instrumentais frenéticos que acompanham o teu pensar (Confusion Beat).
Depois de estoirarem diversos palcos pelo país inteiro, preparam-se agora para estoirar o restante. E o mundo.