Dawn of Ruin - A Biografia

 

A história dos Dawn of Ruin remonta a 2003, ano em que a vocalista V. Hemiazygos e o guitarrista Shadow se reuniram com o intuito de criar temas de Black Metal mórbido e abrasivo, com uma boa dose de influências old-school. Aos primeiros originais juntaram-se ainda algumas versões de temas clássicos de bandas de referência dentro do género. Ao duo, entretanto batizado de Ekhidna, juntou-se pouco depois o teclista Sytry. Nesta primeira fase, a secção rítmica esteve a cargo de uma série de músicos de sessão. Esta formação acabou por gravar a malograda demo “Queen of the Graveyard”, que ainda hoje não é considerada digna de audição, exceção feita aos amigos mais próximos da banda.

Após uma série de alterações de formação, a banda recrutou o atual baterista Nazgul e o baixista Koja, ex-Extreme Unction. As suas experiências e gostos musicais diversificados ajudaram a definir o estilo dos Ekhidna, que cada vez mais se aproximava de géneros como o Thrash e o Melodic Death Metal. Tornou-se habitual a gravação de ensaios e demos simples das músicas, prática integrada numa abordagem mais estruturada e organizada à composição musical.

Sytry abandonou a banda em 2006 para se dedicar ao seu novo projeto, Obscvrii Lvnae. Nesse ano, a banda mudou de nome para Tetraplegic God.

Em 2007, à medida que se iam ambientando ao novo local de ensaio, V. Hemiazygos saiu da banda com vista à procura de novos horizontes musicais, tendo sido substituída por Valtherion. Durante o seu período ativo na banda, esta mudou de nome pela segunda e, espera-se, última vez: nasceram então os Dawn of Ruin!

As mudanças de formação começavam a tornar-se num hábito: pouco depois, Valtherion saiu e foi substituído pelo Conde Satan.

Em 2008, os Dawn of Ruin tocaram pela primeira vez ao vivo, no Summer Enslavement Festival, na Marinha Grande (ver secção de vídeos). Foram planeados outros concertos, mas a banda foi, uma vez mais, vítima da inconstância, quando o baixista Koja optou por se dedicar a outras áreas, tanto musicais como pessoais, deixando vago o posto das 4 cordas.

Os restantes membros mostravam uma vontade irreprimível de tocar e continuar a trabalhar em novos temas, desejo aguçado pelos constantes reveses. Esta vontade manteve-os no ativo durante os momentos mais complicados, alturas que aproveitaram para afinar aspetos técnicos e gravar um conjunto de temas novos e antigos. E mais não ocorreu em 2009, contando-se pelo caminho uma série de tentativas de integrar mais um guitarrista, para de alguma forma compensar a ausência do som de um baixo.

Em 2010, a banda tornou a ser um duo, por alguns meses, após a saída do vocalista Conde Satan. Pouco depois, Shadow e Nazgul contaram com a entrada do ex-Obscvrii Lvnae Prometheus, como segundo guitarrista. Embora várias faixas já tivessem arranjos para uma segunda guitarra, muito material e linhas harmónicas novas foram acrescentados ou aperfeiçoados, o que acabou por orientar o som da banda para domínios mais melódicos, intensos e, por vezes, dramáticos. Carpathian Wolf, que também se dedicava ao BM nos extintos Obscvrii Lvnae, foi convocado para assegurar as vocalizações. Ao longo dos meses que se seguiram, as faixas foram meticulosamente analisadas e, em termos gerais, sofreram uma remodelação. A ideia de regressar aos palcos e às gravações começou a surgir em conversa com cada vez mais frequência. Para a concretizar, faltava ultrapassar a ausência de baixista, processo que culminou na entrada da Niggurath para a banda.

Com uma formação completa e um som mais coeso, Dawn of Ruin não tardaram a regressar aos palcos. Entre 2012 e 2014, tocaram em espaços como o Vinícola (Barreiro), o Birras Bar (Covilhã), o In Live Caffé (Moita), o Stairway Club (Cascais), o Cais na Planície (Beja) e o Side B (Benavente). Simultaneamente, a banda concentrou a sua energia coletiva na gravação e produção da demo em CDr "Poço da Infâmia", que apresenta 4 temas gravados no local de ensaio e outras 4 faixas bónus, captadas ao vivo. Em meados de 2014, no momento em que a demo foi lançada, a baixista Niggurath saiu do país, e consequentemente da banda, deixando o lugar a Loki que ocupou assim o lugar de baixista.